21 de junho de 2017

Este verão não era para ter começado assim. Com as labaredas a crepitar na copa dos castanheiros e dos pinheiros, com os pássaros atordoados, com o céu enegrecido, vidas perdidas. Desfeitas. Era suposto ter chegado de mansinho, fazer-se anunciar, com um raio de sol de cada vez, filtrado pelos ramos mais altos das árvores do bosque, o astro-rei recortado nos telhados e nas chaminés, entorpecendo os sentidos dos gatos dormitando nas aldeias, ao mesmo tempo que as cigarras afastavam o silêncio. As andorinhas jovens deixariam sem pressa os seus ninhos e preparar-se-iam para gozar o calor antes da sua primeira viagem de regresso ao local onde nunca tinham estado, mas onde sabiam ter de regressar. O amarelo instalar-se-ia progressivamente nos campos, montes e vales, substituindo suavemente o verde primaveril . Era assim que o verão devia ter chegado. E no entanto, desta vez os cardos mal floriram, as giestas ainda tinham flor, no pinhal os animais jovens ainda não se tinham libertado do leite materno. Hoje, os pássaros foram substituídos pelos drones e o olhar apenas alcança o negrume da terra, do silêncio da falta de vida. O fogo chegou, como no poema de Eugénio de Andrade:

Um dia chega 
de extrema doçura: 
tudo arde 
Arde a luz 
nos vidros da ternura. 
As aves 
no branco 
labirinto da cal. 
As palavras ardem, 
a púrpura das naves. 
O vento, 
onde tenho casa 


Custa a crer que ainda ali existam pessoas agarradas às cinzas, que viram as chamas a passar por cima das suas casas e nelas permaneceram para defender os seus bens, as suas vidas, sozinhas, com um balde de água. As suas vidas, enterradas numa casa, onde prefeririam ficar sepultadas se esse fosse o desígnio do deus em que muitas acreditam. Por vezes assim foi, a casa, a vida, confundidas numa só realidade. O fogo, ainda mal dominado, esse alastrará ao Terreiro do Paço, aos ministérios, à procura de culpados pelo incêndio no paraíso. A chuva desejada chegará tarde demais, mas não deixarão de chover acusações cruzadas com que se entreterão comissões à chegada do outono. Enquanto isso, no Pedrogão Grande, em Castanheira de Pera, na Portela do Fojo, em Góis, na Lousã, em Vilarinho, as gentes procurarão recuperar as suas vidas como puderem, a natureza procurará repor o que perdeu, as ciagarras voltarão a cantar, ainda que a ferida aberta demore muito a cicatrizar.

18 de abril de 2017

Routes de l'esclavage

Jordi Savall, Rotas da Escravatura


De todos os períodos negros da história da humanidade, há um de que pouco se fala, mas que se destaca pelo impacto que teve, tem e que perdura gravado no genoma humano. Em nenhum outro período histórico existiram tantas vítimas, tanta crueldade, com tantas e tão longas consequências para as gerações passadas, presentes e vindouras como durante os cerca de quatrocentos anos que mediaram o ano de 1492 e o de 1888 (ano da abolição da escravatura no Brasil). Nesse perído, vinte e cinco milhões de pessoas foram deportadas das suas aldeias, submetidas à condição de escravo, despojadas de personalidade e sujeitas aos mais ultrajantes tratos nas colónias dos países europeus. Durante esses perído - e nos anos que se lhes seguiram - vinte e cinco milhões de pessoas e os seus descendentes sentiram e sentem o veneno do preconceito racial, do racismo e da discriminação por terem ascendência africana. É o maior genocídio da história da humanidade, que o facto de apenas em 2001 ter sido reconhecido como tal em Durban, aquando da Conferência Mundial contra o Racismo não apaga. É uma história que toca toda a humanidade, sobretudo porque a escravatura ainda persiste nos nossos dias. O preconceito contra o outro continua  a ser uma questão fraturante no momento atual de intolerância generalizada que o mundo atravessa perante o recrudescer dos nacionalismos e a crise do multiculturalismo. A forma como a questão dos refugiados tem sido tratada pelo Ocidente retrata ainda um passado por resolver à luz das modernas concepções que dotam a pessoa humana de uma dignidade longe da que lhe é reconhecida.

Foi perante este cenário que em 1994 a UNESCO lançou o projeto "a Rota da Escravatura" com os objetivos principais de quebrar o silêncio sobre a questão do tráfego negreiro e a escravatura nas mais diversas partes do globo, trazer à luz do dia as criações culturais nascidas ainda assim no seio dessa tragédia e contribuir para o aprofundamento e reflexão sobre o diálogo multicultural.

Uma das formas de libertação do escravo baseava-se na música, que lhe permitia expressar-se, libertar-se, reinterpretar as suas raízes e aproximar-se pela música e pela dança, dos demais escravos de origens tão diversas. As músicas e tradições das suas terras de origem associavam-se assim às duas seus companheiros de infortúnio e muitas vezes às dos seus captores, combinando-se em formas musicais que perduravam através do diálogo musical formas musicais hispânicas, africanas, brasileiras, mexicanas e caribenhas, por vezes com laivos românticos renascentistas e até do próprio barroco.


Foi neste ambiente e para homenagear aqueles vinte e cinco milhões de vítimas que Jordi Savall lançou esta magnífica obra a que diversos artistas de todo o mundo dão voz, num hino à sobrevivência, à liberdade e à esperança. 

Jordi Savall exibiu este trabalho na Gulbenkian, na semana passada.  A Antena 2 dedicou-lhe a programação do Império dos Sentidos do dia 13 de abril, previamente à apresentação do trabalho

29 de março de 2017

Metafísica do amor

Podíamos [sem conseguir]
tentar saber um pouco mais
do amor
e de outras tantas coisas
iguais
como se isso
nos fizesse amar mais
ou mais depressa

Nos fizesse saber mais
da vida
e de tantas outras coisas
desiguais
brilhando difusamente
na face de uma vaga
mar adentro

Amor, amor
Podíamos tentar aceitar
simplesmente
que ao entardecer sucede a noite
e depois a alvorada
num ciclo
igual ou desigual
onde amanhã
é apenas a véspera de outro dia
especial
como tantos outros
[no entanto sem aceitar]

E que importa isso?
se já ninguém morre de amor
ou desamor
ou de falta de (hu) (a) mor
por muito que sacudido, desgraçado, beliscado
como os versos de uma canção
entoada desafinada
com um olhar
apagado...

Amar, amor
quem cantará as tuas glórias
e aspirará o ar dos teus suspiros
o prazer leve
e grave
enquanto dura
até que dura
Amor, amar

A chave da vida
trancada no segredo da memória

25 de novembro de 2016

Arco-íris



Eis que nos alcança o ocaso
fantástico e incerto
como cores
que aleatoriamente
desmaiam

flores
que empalidecem
e ao cair da noite
adormecem

Num longo suspiro
pela alma
de um mar revolto
onde
lentamente  se naufraga
por amor

31 de outubro de 2016

Canto Matinal



Alguém
te toca
profundamente
e sopra 
ao ouvido
palavras que
doces
ecoam 
persistentemente 
na têmpora
e na fronte 

E assim
se te apagam
as trevas
incendeia-se-te
o olhar
o sangue
os labios
Acelera-se-te
o coração

[enquanto se]
te esvai o fôlego
como
num movimento de pedais
à procura de sinais
ou pontos cardeais
e tu

Num reflexo
chamas-me o nome
num Canto
noturno
com chama
enquanto
com encanto
estremeces
e antecipas
o arrepio
dos meus dedos
percorrendo
o espaço
entre 
as tuas omoplatas

26 de outubro de 2016

Time kills

It has been a while since
I've last seen happiness filtered through
your lips and
your fingertips touch like magical keys
happiness
deeply expressed through your soul

It has been a while since
I have written any significant thing on an empty wall
In Tangier's whiteness
Where the sun used to shine in circles
while butterflies flew inside me

It has been a while
indeed
probably too faraway 
from this life
to make any sense to recall it

15 de setembro de 2016

Do Verão

[Ficam] as recordações 
do flutuar 
do olhar 
a mirar o mar
A felicidade das mulheres
e das crianças 
[quase mulheres]
Os sorrisos iluminados
pela luz caiada
debruçados
nas ondas do Levante

No horizonte as velas
sopradas em retalhos 
testemunhas Ocidentais 
do amor embarcado
no verão que parte.

14 de agosto de 2016

Época de Incêndios

Na minha pele restos
da tua pele
Na minha boca lume
do teu fogo
No meu destino 
o teu abraço
No meu nome
o teu nome
No meu abraço
o teu regaço 

No meu fim
a tua falsa distância 
mascarada de esperança.

5 de julho de 2016

[another] One (thirty years after Joshua Tree)

One love 
One miracle
One breath
To make one fall aside
No sense of fearless change
One man
One woman 
An endless road
you
me
Failing
and falling apart
me
you
Is this [perhaps] the end

[two post modern question marks]

of a history??

25 de junho de 2016

O dia Brexit + 1

No dia seguinte ao referendo que ditará a saída do Reino Unido da União Europeia, mas ainda longe do necessário rescaldo que se lhe seguirá, a Europa desperta para uma realidade nova com a qual pode ter uma grande dificuldade em lidar, assim como os próprio britânicos. 

Ontem, imediatamente a seguir à publicação dos primeiros resultados, vários eurocépticos europeus clamaram por referendos nos seus próprios países, procurando cavalgar a onda do resultado do referendo britânico. Por outro lado, a demissão de Cameron (uma das poucas coisas sensatas no dia de ontem) permitiu perceber claramente que os próprios partidários do "leave" não têm ainda um plano para orientar a forma de saída da UE. Senão vejamos: Nigel Farage, do UKIP - com o qual os eleitores não se identificam e que apenas mantem um deputado em Westminster - clama por este referendo há 20 anos e nesses tempo não preparou um plano, nem se lhe conhece o pensamento para os anos que se seguem. Ainda há dias dizia que se o resultado do referendo fosse 52%-48% a favor do "remain", deveria haver novo referendo. Acertou no resultado, mas uma vez que foi ao contrário, não é de crer, pelo tom dos festejos, que seja capaz de demonstrar algum tipo de coerência.

Quanto a Boris Johnson, limitou-se a dizer que não existe pressa em invocar o artigo 50 do tratado de Lisboa, que corresponde ao despoletar formal do processo de  saída. Não se percebe bem o que pretende, mas é evidente que não será esse o entendimento em Bruxelas, que agora exigirá uma rápida clarificação de Londres, não parecendo estar disposta a dar ao Reino Unido a hipótese de ganhar algum fôlego na sua Economia para os duros anos que se avizinham, porventura porque não se pode deixar passar a mensagem que a saída será fácil e indolor a fim de não haver encorajamento de outros casos.

Em Belfast e Edimburgo, onde o "remain" saiu claramente vitorioso (os escoceses votaram há dois anos a favor da permanência no Reino Unido com a promessa de Cameron que ficaria na União Europeia), soaram imediatamente as trombetas da secessão, sendo que no caso da Irlanda do Norte parece que nem há necessidade de referendar a saída do Reino Unido para haver uma união com a República da Irlanda. Paradoxalmente, o risco de secessão no Reino Unido (que deixaria de ser a quinta economia mais forte do mundo), pode ser o polo aglutinador da Europa ao abrigo dos princípios egoístas de "com o mal dos outros posso eu bem" ou " ainda bem que não sou eu".

Seja como for, o processo será longo. Raramente os tratados preveem cláusulas de desvinculação e normalmente apenas são previstas sanções para incumprimentos pontuais, mas raramente é descrito um processo de saída ou denúncia. É a aplicação pura da regra latina, velha como o Direito dos povos, do "pacta sunt servanda" (os contratos são para cumprir nos seus precisos termos). 

O caso do Tratado de Lisboa não é uma exceção. O artigo 50 apenas trata da denúncia, mas não contém em si uma descrição do processo de saída de um estado-membro. Nem podia, porque a União Europeia é um bloco legal inteiro, que regula milhares de matérias e agora é necessário acordar quase relativamente a cada uma delas com o Reino Unido, partindo de um "quase zero". O próprio Reino Unido tem de legislar internamente em diversas matérias. E isso leva tempo, muito tempo. Donde, avisava ontem Donald Tusk, é imperioso que não se caia no risco do vazio legal que necessariamente existe e portanto é imensamente difícil escolher um caminho que seja rápido e ao mesmo tempo seguro, embora não seja evidentemente fácil que se consiga negociar a saída de um tratado ao mesmo tempo que se estabeleçam de imediato acordos e parcerias com a parte de que se pretende a separação ao mesmo tempo. A crispação pode não ser boa conselheira à mesa das negociações e ela existe.

E chegamos ao ponto fulcral: a crispação, que deve ser evitada a todo o custo. A União Europeia precisa do Reino Unido e este da União Europeia. Há mais a perder para ambos os lados que a ganhar com a separação e é preciso que o afastamento não seja grande nem duradouro. Não vale a pena criar grandes clivagens, nem fechar portas. Não é esse o espírito da Europa que está em construção. O regresso do Reino Unido deverá ser sempre algo a não descartar e a ver como positivo; e nessa medida deve ser semeado já o caminho desde o primeiro instante.

Cabe agora aos britânicos escolherem a via a seguir: a do corte radical e o trilhar de um caminho desde o "grau zero" ou uma longa e morosa negociação de novos acordos com a União Europeia? E essa decisão deve ser uma decisão do parlamento britânico, ou deve ser referendada? E nesse possível referendo deve ser feita nova consulta aos cidadão britânicos, posto que não foram informados de quais as opções de que dispunham para tomar uma decisão informada? São demasiadas questões a resolver e por isso é impossível que haja resposta no imediato.

Parece óbvio todavia que Londres acorda para uma dura realidade hoje, como comprova o facto de ontem, menos de 24 horas após o referendo já terem sido reunidas mais de 110.000 assinaturas clamando por um novo referendo (e bastariam 100.000 para o assunto ser levado a discussão parlamentar) e o hashtag #whathavewedone já ser um dos mais populares no Twitter.

Diga-se ainda que há apenas cem anos atrás, a rotura de um tratado por uma parte contratante despoletava quase imediatamente uma guerra entre estados. Hoje, felizmente, não parece ser assim e grande parte dessa segurança e paz vem sendo assegurada na Europa desde o Tratado de Roma. E essa deveria ser, por si só uma razão para a subsistência da união em detrimento da escolha da desagregação ao sabor dos ventos dos populismos e dos nacionalismos. 

Com tantas incertezas, não parece que seja possível dizer já adeus ao Reino Unido, mas apenas até já. E numa Europa verdadeiramente multicultural, até será possível responder-se, sem complexos, Insha'Allah.

22 de maio de 2016

Lua de maio




A lua esta noite, enquadrada com Marte.
(o ponto azul é reflexo da pura azelhice do fotógrafo)

16 de maio de 2016

Nunca mais

Pela manhã
amar devagar,
alguém salgado
fechando os olhos
construindo em silêncio
um lugar recôndito de paixão.

Na penumbra o movimento
florescendo entre rimas, suor e fantasias
sem pontos cardeais 
danos colaterais
ou outros sinais
que não sentimentos iguais.

Assim a centelha da criação
o êxtase da imagem
a deslizar pelo aparo da caneta
materializando em poema
a voz furiosa de um centauro
em furibunda melancolia:

não se diz nunca mais.

9 de maio de 2016

Dostoyevski revisited

I go on living in spite of logic
Though I may not believe in the order of the universe
yet I love the sticky leaves as they open in spring.
I love the blue sky, I love some people,
whom one loves you know sometimes
without knowing why.

It is not a matter of intellect or logic,
it's loving with one's inside,
with one stomach.

Fyodor Dostoyevski (The Karamazov Brothers)


(post em edição)